Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

Rating: 3.6/5 (3397 votos)


ONLINE
3




Partilhe este Site...

Flag Counter

Calendário lunar

 


Conversando com Aramirim.
Conversando com Aramirim.

Conversando com Aramirim/no salão

 

Discípulo: Salve meu pai, meu mestre, meu amigo e irmão! Peço sua benção!

É sempre muito bom encontrar com o senhor e como sempre fazer várias perguntas e receber tantas respostas elucidativas, pois assim tem sido desde Junho de 2007.

Mestre: Pai Orixalá o abençoe agora e sempre. Caro filho, amigo e irmão, enquanto o nosso Pai Supremo, Senhor dos Mundos e de todos nós, permitir continuaremos a nos encontrar. Alegro-me em ver que depois de mais de cinco anos de estudos reais, com sua dedicação e boa-vontade de aprender, o quanto caminhou e evoluiu , andou para frente.

 

Discípulo: Muito obrigado, senhor. Volto, como sempre, com aquele pedido de doar-me novos conhecimentos, mas quero aproveitar a oportunidade para lhe agradecer. Há algum tempo tenho passado seus ensinamentos para várias pessoas no nosso Brasil, como me autorizou pessoalmente. Segundo me informam, de algum modo, graças ao Astral Superior, muitos pararam de fazer uma mistura de várias coisas numa verdadeira salada ESOTÉRICA com condimentos EXOTÉRICOS

Mestre: Meu caro, existe um certo “jogo de ilusões” que é muito usado no nosso meio umbandístico brasileiro, com algumas exceções, evidentemente. Nele existe uma regra que é: quanto mais se mistura lendas e crendices, mais sucesso. O Mestre Matta e Silva dizia: - “Pobres almas que das brumas ainda não saíram.” E nós nos perguntamos fazer o quê?

Ao longo de mais de 50 anos que estou na Umbanda, vejo que a mesma está sendo alvo das interpretações mais confusas e desconexas. Há muita coisa incorreta e ainda aliada ao animismo bravo.

 

Discípulo: Mestre, eu pratico a Umbanda, sempre muito fiel a tudo que aprendi e vivi junto ao senhor e pretendo continuar assim. Lastimo realmente muitos que lêem seus ensinamentos com se fosse gibi ou revistinha em quadrinhos A preguiça espiritual e mental é muito grande nesses e o chamamento do material é muito forte e a esses posso repetir a lição antiga; “O pior cego é o que não quer enxergar e o pior egoísta, vaidoso e hipócrita é o que não quer mudar nada em suas vidas para melhor realmente.

A Umbanda tem duas faces uma é cara e a outra é coroa. Uns gostam da coroa e outros gostam da cara. A cara faz mais sucesso, pois é um ótimo campo aberto totalmente para tudo e para todos. Tem sempre um lugar para mais uns.

Quando surge algo sobre Umbanda, nos meios de comunicação, é sempre o lado da chamada Umbanda Popular e isso sem muita escolha, pois o importante é atingir o máximo que puder e é isso que dá ótima ou boa audiência.

O que chega ao público em geral, ao mundo popular não apresenta os fundamentos e os conceitos da verdadeira Umbanda Milenar. Este lado o que o povão conhece é algo confuso, pois cada terreiro faz diferente do outro e não apresenta uma só visão cultural, um só tipo de caminho a seguir e uma só maneira de ver e analisar as coisas.

A Umbanda real é dirigida por espíritos que são regidos pelo Astral Superior e esses seguem certa disciplina e cumprem normas que foram determinadas pelo Astral Superior e não pela vontade de médiuns.

Existem ainda em alguns terreiros, que se dizem da Raiz de Guiné, resquícios do mundo exotérico. São geralmente fáceis de identificá-los, pois só seguem a Raiz de Guiné mesmo, quando há segundos interesses, tais como certas promoções e aspirações mundanas. Vivem ainda atrelados a laços de amizades, promoções pessoais e visões políticas. Seus líderes ainda não entenderam direito as Regras deixadas por Pai Guiné. Basta ser amigo ou parente e tudo está certo ou tem a possibilidade de se dar um tal jeitinho. As coisas se complicam mais quando em nome disso iniciam quem não tem competência para tal.

A Umbanda Esotérica legítima ama, respeita, ajuda, orienta e faz, mas nunca quebra regulamentos que foram deixados por Pai Guiné para bajular quem quer que seja e isso inclui as nossas autoridades.

Como pode um ser humano que viveu o certo, viu efeitos físicos, acompanhou as curas, ouviu as aulas, foi ajudado e no final trocar tudo por causa de status físico, ou seja, social?

Não é à toa que Preto-Velho Guiné doou a nós as 7 Lágrimas. Muitos no nosso meio não precisam lavar seus uniformes pois eles estão sempre molhados com essas lágrimas, é só colocar para secar e vestir de novo.

 

Discípulo: Mestre, realmente este problema existe por aí. É lamentável que certos irmãos que possuem capacidade de fazer as coisas certas, não o fazem. E com isso ele perde e nós também, pois a união faz a força. Gostaria que o senhor falasse mais a respeito destas duas faces da Umbanda.

Mestre: Recordemos que o Mestre Matta e Silva, por ordem do Astral, apontou para exemplificar o Movimento Umbandista, uma moeda em suas mãos, segurada por dois dedos e ainda apontou seus dois lados: “cara” e “coroa” e aproveitou o exemplo para explicar que numa face só possui aspectos internos, pouco atuante junto a população umbandista e a outra face, a da cara, é o lado externo, exotérico, público, aberto, e sempre teve a maior quantidade de praticantes e frequentadores.

No aqui exemplificado como coroa, temos poucos que a buscaram e a reencontraram nesta vida e esses raros estão nela por laços de afinidade que o tempo não destruiu.

Os não possuidores dos referidos laços então não se afinam corretamente e não conseguem ser fiéis ao que juraram em nome de Deus e de Jesus e até mesmo pela sua própria honra, aos pés da Santa Cruz de um de nossos Congás, no dia da sua Iniciação.

Geralmente esses tipos de médiuns são interiormente estranhos à Lei da Coroa e conseguem ter os mesmos pensamentos de suas vidas anteriores, atitudes e fala só exotericamente (lado da cara, o externo, aberto, público) pois seu espírito é divagador e tem dificuldades para cumprir ordens. Tudo por serem muito orgulhosos, convencidos e bastante displicentes perante a Lei de Umbanda Real. A marca principal de identificação deste tipo de perjuro é a vaidade que sempre se apresenta na sua particular “invenção” de moda. Ele tem a necessidade de estar sempre copiando “coisas” vindas dos sub-planos da Umbanda legítima. Diz coisas infelizes e preocupantes.

Este que se diz esotérico, mas na realidade só por fora, pois ele é exotérico por dentro, não cumpre realmente aquilo que jurou na sua iniciação, voluntariamente. Não consegue ser simples, pois uma coisa que os incomoda é o chamado ostracismo e assim ERRAM DE PROPÓSITO.

A dificuldade no cumprimento da Lei é tanta e o impulso da vaidade é tão grande que não aceita conselhos, e sabe que seus erros são graves, mas não muda pois para ele é sinal de fraqueza. E por causa disso não liga para o que possa acontecer energeticamente com seus médiuns e seus familiares. Até mesmo em seus rituais é notória a divagação e a quebra da Lei. Chegam ao ponto de trair quem os iniciou e foi o seu avalista nisso.

Para entendermos a positividade, firmeza e a continuidade dos fundamentos básicos da Umbanda Esotérica, sem invencionices, modismos e arcaísmos é preciso ser esperto no assunto e frequentador e também ótimo observador de tudo, principalmente no que acontece na vida dos médiuns e do próprio terreiro. É lógico que frequentando só a assistência dá para ver somente um pouco dos erros e nada mais do que isso.

O Filho-de-Santé de Verdade, não faz nada mesmo que vá de encontro ao que jurou defender, no dia da sua Iniciação, aos pés da Santa Cruz, tendo seus irmãos e irmãs de terreiro como testemunhas do seu Juramento Voluntário. Este leva a Lei e regras que lhe foram passadas pelas Entidades comandantes do Templo-terreiro, nos livros do Grão-Mestre Matta e Silva, e também nas aulas e ainda nos exemplos do seu Mestre ou Sacerdote. É um exímio cumpridor da Lei. Ele sabe e ainda se lembra de tudo que jurou defender, em nome de sua honra e pelo bem de todos, não só o seu.

O Evangelho de Jesus afirma: “A cada um de acordo com sua obra” e isto é similar ao “semelhante atrai semelhante”. Então? Espírito de luz não baixa em médium de luz mortiça e complicada, e ainda, inventor de moda, misturador de regras e displicente.

Tudo isso é um estado de alma do médium. E na realidade quem quiser saber quem ele é, na realidade, é só observá-lo bem. A todo o momento sua máscara cai mostrando sua verdadeira alma, o seu espírito e suas idéias mirabolantes e super vaidosas.

Atrevo-me a dizer que no meio da Umbanda Esotérica, conhecida também como Aumbhandam, “existem os chamados estranhos no ninho”. Esses só vieram em busca de algo para se auto afirmar no meio. Os médiuns que querem virar estrela ou cometa luminoso nos céus da Umbanda. Se acham melhores do que a maioria dos médiuns que são responsáveis e não perjuros. Grandes astros e se gabam possuírem muitos médiuns como satélites. E para isso são capazes de fazer e inventar e enganar.

Em vez de tirarem de suas horas de lazer para estudar, ficam buscando misturas que impressionam a quem os segue.

Na realidade só não conseguem ficar escondidos para os bons observadores que podem vê-los como são de verdade. Esses tipos de soberbos se banham muito com a quinta e sexta lágrima de Pai Guiné, carregam para todo lado a última, descrita assim por Pai Matta e Silva:

“E a sétima , filho, notaste como foi grande e como deslizou pesada? Foi a ÚLTIMA LÁGRIMA, aquela que “vive” nos “olhos” de todos os Orixás; fiz doação dessa aos vaidosos, cheios de empáfia, para que lavem suas máscaras e todos possa vê-los como realmente são...

“Cegos, guias de cegos”, andam se exibindo com a Banda, tal e qual mariposas em torno da luz; essa mesma LUZ que ele não conseguem VER porque só visam à exteriorização de seus próprios “egos”...

“Olhai-os bem, vede como suas fisionomias são turvas e desconfiadas; observai-os quando falam “doutrinando”; suas vozes são ocas, dizem tudo de “cor e salteado”, numa linguagem sem calor, cantando loas aos nossos Guias e Protetores, em conselhos e conceitos de caridade, essa mesma caridade que não fazem, aferrados ao conforto da matéria e à gula do vil metal. Eles não têm convicção”.

Como diz um irmão Guardião: “Nem tudo que pia no mato é pássaro ou ave alegres e felizes, na realidade muitas vezes os piados são de cobras ou serpentes atraindo sua vítimas para desgraça e muito sofrimento.

 

Discípulo: É uma pena ver, no nosso meio, tantos com capacidade e conhecimentos invejáveis que lhes foram doados como um presente por seus esforçados e dedicados mestres ou sacerdotes e os trocam por negligência, egoísmo e indisciplina, por outros ensinamentos recheados de ilusão e que não tem nada mesmo a ver com a real Umbanda Esotérica da Raiz de Guiné. Além de tudo isso está aliado a falta de real amor ao próximo e seus próprios filhos, que confiam neles e com o passar do tempo percebem que estão sendo enganados e por decepções se afastam do nosso meio.

O senhor quer me passar mais alguma coisa hoje?

Mestre: Sim! Umas recomendações são necessárias:

  1. Para estudar espiritualismo ou ensinamentos esotéricos de Umbanda é preciso: prometer e cumprir que vá tirar meia hora por dia ou mais para estudar ESOTERISMO DE UMBANDA, aconteça o que acontecer.
  2. É preciso ler cada aula ou ensinamento fazendo uma reflexão com a mente e o coração abertos.
  3. Jamais afirmar que isso ou aquilo é mentira ou verdade, certo ou errado.
  4. Ler, parar no final de cada linha e meditar sobre o que leu. Em cada parágrafo, em cada página e em cada capítulo fazer o mesmo.
  5. Nunca ler da forma como lê jornal ou revistinhas em quadrinhos. Passe cada coisa pelo “crivo da razão”, mas com boa vontade e não com idéias preconcebidas. Traga tudo para seu íntimo, procurando com muita boa vontade conscientizar-se de como este ou aquele assunto está relacionado com sua vida pessoal ou do grupo que pertence ou dirige.
  6. Leia com amor, com responsabilidade e respeito. Após, fique em silêncio e medite, reflita mesmo e pergunte-se, em frente à seu espelho, tal qual aquela personagem de uma história: “Espelho, espelho meu, que tipo de médium, de mestre, de sacerdote sou eu? Em qual lágrima, entre as sete lágrimas de Pai Guiné, estou enquadrado? E lá de dentro ouvirá seu mestre interior, e não seu egoísmo tolo, responder:

“Tu és um iniciado. Para de aconchegos e bajulações e de conchavos. Cumpra o que Jurou nos pés da Santa Cruz das Santas Almas Benditas do Cruzeiro Divino. Seja honesto com tudo e para com tudo. Nunca tenha duas caras. Tenha fé em Deus para valer. Vá e cumpra seu dever.

E cumprindo isso realmente será aceito no ASTRAL como iniciado, sacerdote ou Mestre, da Real Umbanda Esotérica, de Jesus, Nosso Pai Orixalá”.

Agindo assim o discípulo será mais feliz e sua consciência não terá de ficar lhe cobrando e seu ouvido espiritual não terá de ouvir os qualificativos -“ Perjuro, perjuro, perjuro...”

 

Discípulo: Eu gostaria de saber do senhor como a Umbanda Esotérica tem suas frentes de trabalho e como elas são.

Mestre: Ela tem neste mundo duas frentes de trabalho: uma está mais interessada pelo sofrimento e seus efeitos sobre nossos irmãos e irmãs, e nesta parte temos “trabalhos e mais trabalhos” de auxílio e orientações e algo na prática. A outra no auxilio à conduta espiritual e moral das pessoas.

Sabemos que a maioria dos frequentadores de nossos trabalhos mediúnicos só pensa em bens materiais.

Interessante dizer que existem os adeptos da magia ritualística coletiva e individual e não abrem mão disso. Querem contato com as entidades “incorporadas”, consultas e consultas nada mais do que consultas. Não estão realmente interessadas em melhorar seu padrão existencial. De livros “correm” e de cobranças morais e espirituais mais ainda.

No campo dos médiuns somente uma minorias sabe realmente orientar, aconselhar, mostrar e até mesmo exemplificar pois no terreiro agem de um modo e no mundo profano de outra forma, por sinal bem longe dos alertas e pedidos das REAIS entidades astralizadas. Temos aqui, até mesmo os que fogem de leituras, estudos, reflexões pois além de trocarem as “coisas dos céus pelas coisas da Terra”, só lêem o que lhe interessa e justificam seus modos, sua mente e pensamentos. Temos uma boa parte que gosta de misturar tudo para provar sapiência.

O Astral Superior através de Entidades realmente comprometidas com a VERDADE VERDADEIRA, nos alerta que os dizeres da espiritualidade e de seus médiuns. Ela nos faz recordar a regra; “Não acrediteis em tudo que os espíritos dizem. Verificai primeiro se esses vêm da parte de Deus”.

A outra regra afirma que semelhante atrai semelhante e isso funciona no contato médium e espírito desencarnado, no nosso caso aqueles os que se apresentam nas três formas. Aqui é preciso ter-se vivencial, muita experiência e muita atenção. Sabemos que o pior cego é o que não quer enxergar.

Os desencarnados conforme seus graus de elevação buscam semelhantes. E isso ainda é mais perigoso quando se trata de “trabalhos” com a Paralela Oposta com seus exus e pombas-giras. Neste campo é muito comum a manifestação com alto grau anímico, ou seja, muito, muito mesmo mais do médium do que da entidade comunicante. A vigilância exigida costuma demais ser menosprezada, a forma comanda a razão.

Lá em Itacuruçá existia um livro de presença assinado por todos nós, obrigatoriamente. Pois bem, nela na sua contracapa e primeiras páginas encontramos e anotamos na época:

“ Se é um homem realmente de bem, ou pelo menos se esforça realmente , sem dúvida tem a assisti-lo, bons e nobres espíritos. Portanto o homem no uso de seu livre arbítrio e no exercício de seu comportamento no dia a dia, é quem escolhe de livre vontade a influência que pretende receber e recebe.”

 

Discípulo: Como o senhor já explicou, a Umbanda tem duas faces, não é? Cara e coroa, ou seja, Exotérica e Esotérica.

Mestre: A nossa fonte de trabalho é a que realmente interessa a um menor grupo de pessoas e esses buscam os reais motivos, as causas, a razão do sofrimento e a extinção desta origem. Alguns irmãos não acham muito agradável este outro lado. Acham uma perda de tempo.

Não existe na verdade um lado melhor do que o outro e sim diferenças as vezes gritantes. Elas existem para atender os mais variados níveis de consciência de seus adeptos, médiuns e consulentes. É necessário ter-se certa maturidade espiritual e até mesmo física para se buscar e encontrar os porquês dos legítimos distúrbios presentes num sofredor de qualquer espécie e uma boa experiência no trato de casos espirituais com reflexos no físico. Ninguém pode se determinar professor dentro deste estado de coisa. Surpresas agradáveis e desagradáveis podem surgir e a coisa se complicar mais ainda.

 

Discípulo: Mestre, o que são as ilusões neste caminho umbandista?

Mestre: Vaidade extrema e disfarçada, orgulho, má vontade, palavras chulas, afirmações levianas e principalmente acreditar e divulgar que tudo é macumba, feitiço e fruto de mediunidade não adestrada. É preciso compreender que nem todo mundo é médium e que precisa vestir de branco e entrar para uma corrente mediúnica.

Médium achar que sabe demais e que suas entidades são “fora de série”.

A maior tristeza escondida é que muitos que sabem que perderam sua mediunidade e hoje estão anímicos, somente. Mas, isso não é pecado, crime ou doença. Tem anímicos neste nosso país que fazem muito bem pela sociedade em que vivem. O perigo mesmo é o animismo vicioso, pois este é uma doença muito grave, uma autentica obsessão e um causador de distúrbios, brigas, confusões e até perda de amizades ou separação de lares.

Os remédios contra isso são os especiais: HUMILDADE E AMOR SINCERO. Uma bussola segura para guiar no caminho deixado por Jesus, Nosso Pai Orixalá em o nome de AMOR AO PRÓXIMO sem cobranças. DESPREDIMENTO e muita HUMILDADE, bons companheiros de viagem e um guia extraordinário para nossa vida está contida nesta afirmação de Jesus: - “Bem-Aventurados os humildes pois a eles pertence o Reino dos Céus.

 

Discípulo: Agora gostaria de pedir um esclarecimento sobre o progresso do discípulo na Umbanda Esotérica.

Mestre: Este é realizado no seu mundo interior, se tem os requisitos indispensáveis. Pois se assim for, terá a confiança do Astral Superior, então receberá o acréscimo de forças mentais, astrais e até físicas. A lei diz: “A cada um de acordo com suas obras e todo trabalhador é digno de seu salário”.

 

Discípulo: Pode me citar um sério erro que nós os médiuns cometemos?

Mestre: A impaciência! Esta só lhe dará aborrecimentos. Outro erro também é quando nós achamos que nossos esforços de vida material terminará ou será bastante abrandada ao encontramos com nosso Mestre e que este vai viver nossa vida e pagará ou apagará nosso karma constituído. O Senhor Jesus, Pai Orixalá afirmou: “A cada um de acordo com suas obras”.

Discípulo: Dentro da realidade onde começa o nosso serviço na Terra?

Mestre: Inicia-se no instante desde o momento que nasceu ou renasceu. É só ser um bom observador e constará esta verdade.

 

Discípulo: Existem coisas que me preocupam e uma delas é a questão dos ensinamentos tão necessários e reais, para os médiuns de Umbanda, tais como esses que o senhor tem me dado e eu tenho passado de graça. E lógico que tudo exige cautela e dose correta.

Veja por exemplo que muitos médiuns não gostam de ler e estudar. Até mesmo este processo facilitado como sistema de aulas que o senhor tem me dado e que é totalmente de graça não atraem certos irmãos do caminho. Preferem se arriscar. Assim temos irmãos que gostam de inventar o que não existe só para mostrar serviço. Alguns médiuns se deixam levar pelo profano e pelas coisas do mundo físico e não sabendo nada mesmo de útil ensinam coisas arcaicas, fantasias, que aprenderam onde foram filhos ou assistentes e que nada tem haver com a Umbanda real.

Eu falo abertamente e insisto sempre que essas aulas do modo que foram passadas pelo senhor, para nós todos, é coisa rara. Ninguém nos doou algo assim.

Mestre: Filho, os eletrônicos de hoje e o mundo material cheio de atrações físicas, para muitos chamados de médiuns é bem melhor do que tirar um tempo, por dia, para estudar o umbandismo e melhorar realmente seu mediuninismo.

 

Discípulo: Confesso que eu e minha família usando, na teoria e na prática, o que temos recebido do Astral, através do senhor, trouxe retornos altamente positivos e se sairmos por aí contando isso abertamente, na certa, receberemos o adjetivo de mentirosos.

Permita-me dar-lhe um exemplo: certa vez fomos procurados por um senhor que, após o desencarne de sua esposa muito querida, adoeceu. Era presente nele a falta de ar, palpitações, arritmias cardíacas, desânimo e outros sintomas. Os médicos apontaram depressão, entre outros diagnósticos. Depois de muito buscar, nos encontrou, e então me contou seu drama, entre lágrimas sentidas.

Esse sofrido irmão já havia passado por vários médicos, competentíssimos, tomou medicamentos, seguiu instruções, mas continuou se sentido mal. Então resolveu seguir o conselho de amigos e começou sua busca de um ou mais milagres.

Tornou-se, então, mais um dos chamados “corredores giras”. Ia num lugar não resolvia, ia noutro. Este acendeu muitas velas e tomou muitos banhos, freqüentou encruzilhada, foi até em cruzeiro de cemitério, tomou banhos de cachoeira, de mar, de fonte, de mina, e nada foi suficiente. Ponto de fogo passou por vários e nada resolveu.

Meio desnorteado resolveu seguir os conselhos de alguns amigos e parentes e foi em busca dos senhores pastores evangélicos e também não teve seu caso resolvido.

Uma pessoa amiga afirmou: “Fulano eu vou num lugar muito bom. Por que não vai comigo? E ele foi e também nada resolveu e ficou cada dia bem pior. Gastou um bom dinheiro e nada.

Com o passar do tempo, alguém informou sobre a minha pessoa e ele apareceu lá em casa, no nosso humilde Terreiro de Umbanda Esotérica.

A Entidade amiga, que o atendeu, pegou seus dois pulsos, ficou em silêncio por alguns minutos e cantou um ponto suave. Descobriu na hora o porquê de tudo isso, para o espanto de quem ouviu e não está acostumado com a Verdadeira Lei de Umbanda. O irmão astralizado lhe disse que seu mal era a imensa saudade da esposa e esse era o motivo de suas doenças. Quando ela vivia na Terra eram um para o outro. E não eram muito chegados a espiritualismo ou espiritismo. Eram de fundamentos católicos e acreditavam que vida após morte só tem três caminhos, céu, purgatório e inferno, entretanto, não era bem assim. Ela, a esposa, estava sempre ao lado dele, com amor, mas sem condições nenhuma de ajudá-lo. A troca de energias era constante, mesmo após o desencarne e isso estava presente. Ela precisava seguir seus passos e não conseguia fazê-lo por causa do sofrimento dele que chorava, clamava, cobrava sua presença. Ela assim estava atada a ele.

O Pai-Velho deu o diagnóstico em particular para nós: vampirização dupla!!! Ela, de certa forma, sugava suas energias e ele também fazia o mesmo, apesar da diferença de viver em planos diferentes.

A partir daí, foi determinado um trabalho com ele e que também atingiria sua esposa. Foram dados esclarecimentos, comprovados e REAIS de como agir, o que foi feito. Sem ponto de fogo, excesso de banhos e idas nas encruzas, sem dezenas de velas acesas, etc.

Hoje ele está forte e feliz. Sua esposa continua no Astral e também está em um lugar apropriado e já deu provas disso. Pois bem, Mestre, ambos estão curados. E tudo foi porque nós aprendemos com carinho suas orientações e colocamos os mesmos no nosso modo de viver no terreiro e na vida profana.

Mestre: Há muitos anos quem era muito doente era eu e ao encontrar a Umbanda certa, com filhos dedicados e estudiosos fui bem orientado. Com o passar do tempo achei meu Mestre. Diferentemente da maioria que tem essa oportunidade e não aproveita, pois está sempre trocando as Leis de Deus por alegrias profanas e usando de “coisas” ultrapassadas e centenárias de terreiros, cheio de lendas e crendices, estou hoje aqui mais uma vez, Graças ao Pai Supremo, perto de você. E desta vez fui aluno e você, caríssimo, foi o Mestre. Parabéns!

 

Discípulo: Sei que o senhor já deve ter passado por várias situações em seu Terreiro e talvez, ter vivido pessoalmente casos de difícil solução. Poderia me citar um destes casos?

Mestre: Nesse meio umbandista nós já vimos e ouvimos coisas realmente impressionantes. Testemunhamos algumas materializações no nosso antigo e hoje adormecido Terreiro. Lá houve curas comprovadas e soluções de problemas realmente difíceis, com centenas de testemunhas.

Marcante também foram as comprovações da verdade dos Oráculos Sagrados, verdadeiras bússolas a nortear caminhos corretos tanto para mim como para os filhos de santé e consulentes. O mais interessante é que esses fatos sempre tiveram testemunhas vivas, ao nosso lado, e nem sempre eram médiuns e sim pessoas comuns. Os fenômenos físicos atrelados a curas físicas, mentais e astrais eram frutos da presente hora certa e da conseqüência de um preparo rigoroso. A lei era cumprida e a dignidade da chefia e do grupo todo, aliado ao amor incondicional ao próximo, era a verdadeira razão da colheita de tão deliciosos produtos.

É bom que se diga aqui que esses efeitos também se faziam presentes, de vez em quando, em alguns lares de “nossos” médiuns. Também muita coisa aconteceu no meu lar e que ainda são comentados até hoje, por meus familiares amigos e antigos vizinhos e freqüentadores de nossas Giras.

 

Discípulo: Permita fazer outra pergunta: como posso entender de forma simples o Poder Volitivo do Orixá?

Mestre: É potenciação de sua vontade e essa propiciou movimentos ordenados, que fez nascer o nosso Universo Astral. Dai surgiu o chamado Big-Bang e este fez surgir três fenômenos existentes: a Luz, o Som e o Movimento.

Existe uma lei que afirma que o que está encima é similar ao que está embaixo e vice-versa. Para quem tem “olhos de ver e ouvidos de escutar” percebeu que no nascimento de uma criança temos também a Luz (a luz que vê saindo de dentro da mãe), o Som através do choro e o Movimento. Este é uma realidade para o bom observador. Real mas muito difícil para quem não tem olhos de ver e ouvidos de ouvir.

 

Discípulo: Realmente. Nunca tinha pensando nisso. Agora, o senhor poderia dar maiores explicações sobre Iniciação?

Mestre: Não podemos nunca acreditar que uma iniciação é uma promoção. Que esta vai nos dar tudo que achamos que merecemos ou que lutamos para tentar conseguir. Este cargo filho, não é uma promoção e nem uma ponte para acesso a cargos superiores e não é uma porta milagrosa que se abre à vontade.

A Iniciação só é algo positivo na vida de alguém quando este alguém fornece condições, ou como diz o ditado muito antigo, quando a pessoa nasce de novo e de dentro para fora de si mesmo. Quando renuncia a maior praga, o maior erro, o câncer do espírito: o egoísmo.

Vejamos que uma Iniciação para ser válida tem de ser determinada por uma Entidade Espiritual real. Para se ter ou receber uma Iniciação verdadeira tem de ter tido ordens e direitos do Astral Superior e este nunca aceita REALMENTE ser avalista da irresponsabilidade de um suposto iniciador, um distribuidor de promoções pessoais que acha que isto é apenas status ou vai dar forças mediúnicas a seus médiuns escolhidos.

Vejamos que o médium é apenas um meio de comunicação entre vivos e desencarnados e sendo assim a Iniciação só se faz REALMENTE presente para o médium em si mesmo. Ela não dá força mediúnica. Ela dá, só para quem merece, um novo estado de consciência e um novo modo de viver.

No fundo, no fundo mesmo é uma benção para quem realmente merece e um grande peso para os aventureiros de plantão. A NATUREZA NUNCA DEU SALTOS e não vai dar para somente para abastecer o orgulho e a vaidade de alguém, seja ele mestre, sacerdote ou iniciando.

 

Discípulo: Mestre, para encerrar, poderia me dar algo sobre conduta digna de aspirantes a uma Iniciação?

Mestre: Muitas. Mas vejamos algo muito antigo que é originário de algumas Leis e Regras de índios americanos e que serve para todos nós:

  1. Pratique otimismo, todo dia toda hora. Não tenha duas caras.
  2. Evite machucar os corações das pessoas, principalmente nas que lhe tratam com carinho, amizade e respeito.
  3. Seja sincero, mas educado, seja verdadeiro em todas as situações. Mas aprende de uma vez que sinceridade não é grosseria, falta de educação e desrespeito.
  4. A honestidade é elemento fundamental, uma virtude que não pode ser jogada no lixo, como se vê por aí no mundo. Ela não pode ser usada para uns e transvertida de segundos interesses para outros.
  5. Mantenha-se equilibrado. Não seja como uma folha que o vento faz virar de lado em cada momento, ou seja, para um lado e para o outro. É lógico que um débil, um usuário de máscaras diversas não pode, sob hipótese nenhuma, querer iniciar alguém.
  6. Mantenha-se também equilibrado com seu corpo espiritual, mental e físico. Eles precisam estar sempre o melhor possível. Esforce-se para mantê-los fortes, tranqüilos, equilibrados, alegres e positivos dentro das Leis do Supremo Espírito.
  7. Trabalhe 24 horas para ajudar o seu corpo espiritual ajudar e curar o seu emocional.
  8. Tome a decisão consciente em cada ocasião. Como deverá agir e reagir perante as 24 horas de sua vida e da vida das pessoas que vivem a seu lado.
  9. Seja responsável por suas ações. Não invente desculpas para seu erros.
  10. Respeite a privacidade e o espaço dos outros.
  11. Não toque as propriedades pessoais, de outras pessoas, especialmente objetos religiosos e sagrados.
  12. Comece a ser verdadeiro consigo mesmo. Não invente desculpas para seu erros. Não seja ingrato e mal agradecido.
  13. Se você não consegue ajudar a você mesmo como poderá ajudar aos outros. Se você está instável e consegue ser fugitivo da verdade verdadeira como poderá apontar caminhos a seus semelhantes?
  14. Não force sua maneira de ver a vida sobre os outros.
  15. Participe sim, com amor, bondade, compaixão, lealdade, respeito da vida de quem está a seu lado.
  16. Acredite mesmo! Cada ação nossa negativa e cheia de segundas intenções, neste caminho, gera no mínimo um bom pedaço a mais de karma negativo para nós mesmos. E diz o ditado antigo: “Quem semeia ventos vai colher tempestade”.

Para encerra repito aqui o que disse o Sr..., incorporado em seu médium: “Não adianta tamparem o sol com a peneira. Nós como agentes do Karma vemos e sabemos de tudo e garantimos que vai haver choro e ranger de dentes como afirmou nosso meigo Jesus, o nosso Pai Orixalá”.

Mestre: Vá meu caro filho de santé, amigo e irmão do caminho com a paz de Jesus no coração e na vida. Sei que você é um filho correto, humilde e cumpridor da Lei e tem a consciência limpa. Rogo as benção do Pai Supremo e da Sublime Mãe Umbanda para você e seus familiares.

Discípulo: Muito obrigado por tudo, de coração mesmo. Tudo aqui vai servir para mim e para minha família, para meus irmãos médiuns verdadeiros e aos Sacerdotes e Mestres a serviço do Senhor Jesus. Quem tem juízo e normalidade de espírito que possa fazer o mesmo, pois é dando que se recebe. Nunca vou me esquecer do senhor, Mestre. Vamos lutar para renascermos no RENASCER DO SENHOR JESUS.

Sua benção, meu caríssimo Pai e Mestre de Iniciação. Até a próxima!

 

 

Mestre: Pai Orixalá o abençoe. Que a Paz e a Luz do Grande Iniciado o que deu sua própria vida por todos nós e depois renasceu para sempre e mora em nosso corações, o acompanhe agora e sempre!

 

 

 

Que o Senhor Jesus, Nosso Pai Orixalá o impulsione sempre e o faça lembrar que estamos com a responsabilidade de ajudar a formar médiuns iniciados e não juntar amigos e parentes, para mostrar como somos bonzinhos e cordiais.

 

 

 

Que a Paz e a Luz Divina esteja sempre com você, comigo e com toda a humanidade. Até a próxima!