Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

Rating: 2.9/5 (399 votos)



ONLINE
5





Partilhe este Site...



 

Pontos cantados de Oxossi
Pontos cantados de Oxossi

 

Ponto para Afirmação na Vibração de Oxossi

 

-1-

Ô Juremê, ô Juremá

(bis)

Se não fossem os cantos da Jurema

Caboclo de Umbanda

Não vinha cá

(bis)

 -2-

Lá na Jurema

Tem um pé de ingá

(bis)

Lá onde a lua clareia o caminho

Para o caboclo passar

(bis)

Jurema, Jurema...

Olha o seu Juremá

(bis)

 -3-

Foi Tupã quem criou o mundo

Só Ele pode governar

(bis)

Foi Ele quem criou a estrela

Que ilumina Oxossi lá no Juremá

(bis)

Okê! Okê! Okê!

Okê,  meus  caboclos, okê!

-4-

Estrela matutina

Clareia o mundo sem parar

(bis)

Ilumina os cabaneiros da Jurema

Ilumina o seu congá

(bis)

-5-

Estrela brilha

Clareia a Umbanda

Clareia os caboclos

Que vem de Aruanda

(bis)

Caboclos divinos

Que vem nos salvar

Salve todos os caboclos

Que desceram pra ajudar

(bis)

-6-

Estrela matutina

Clareou Umbanda

(bis)

Clareou Umbanda

Clareou Umbanda

(bis)

Clareou (Tupynambá)

Clareou Umbanda

Clareou (Arranca Toco)

Clareou Umbanda

 

Clareou Umbanda

Clareou Umbanda

(bis)

-7-

Saiu das matas, coberto de folhas

Chegou na Umbanda coberto de penas

(bis)

Veio saravá o terreiro de Umbanda

Veio correr ronda

Quem mandou foi a Jurema

(bis)

-8-

Tem, tem, tem

Lá nas matas tem caboclo

Tem, tem, tem.

Rompe Mato e Arranca Toco

 -9-

Lá na aldeia, tem três caboclos

São Pena Branca, Pena Verde e Pena Azul

(bis)

Fez o seu laço da cobra jibóia

Fez sua cinta da surucucu

(bis)

 -10-

Deu um balanço no mundo

Quando o bom Jesus nasceu

(bis)

Balanceou, tremeu a terra

Mas caboclo não tremeu

(bis)

-11-

Queremos saravá aos senhores todos

Na nossa Umbanda vamos saravá

A toda gira e toda cangira

A todo povo de Umbanda

E a todos os Orixás

-12-

Ah! Meu pai olha ki-banb-ôcline!

Ah! Meu pai olha ki-banb-ôdé!

 (bis)

Oh! Saravá seu Pena Verde

Saravá seu Caçador, seu Arruda e seu Guiné!

-13-

A mata estava escura

Veio um anjo e iluminou

Cabaneiros da mata virgem

O seu Oxossi aqui chegou

 

Mas ele vem, ele vem, ele vem...

Mas ele vem de Aruanda, ele vem.

(bis)

-14-

Nasceu nas matas

Das matas ele não tem medo

Nasceu nas matas

Debaixo de um arvoredo

Nasceu nas matas

Juremá quem lhe criou

Foi batizado por Tupã

Na pedreira de Xangô

-15-

Entrei nas matas

Procurando dois caboclos

Meu padrinho Pena Azul

E seu mano Arranca Toco

(bis)

Fui andando, fui andando...

E a mata se fechando

Se não fosse meu padrinho

Sucuri ia me pegando

-16-

Ô lá no rio ele é remador

Ô lá na mata ele é caçador

Mas ele é, ele é, ele é.

Ele é seu Pena Branca

Seu Arruda e seu Guiné

-17-

Caboclo quando vem na aldeia

Ele vem cansado

De pisar na areia

(bis)

Ele vem na aldeia, aldeia...

Ele vem na aldeia, aldeia...

(bis)

-18-

Na sua aldeia tem os seus caboclos

Na sua mata tem sua cachoeira

No seu saiote tem pena dourada

Seu capacete brilha na alvorada

-19-

Como é bonito o pisar dos caboclos

Que pisam na areia

No rastro do outro

(bis)

Salve a Sereia

Salve Yemanjá

Salve os Caboclos da linha do mar

(bis)

-20-

Caboclo vem lá da Aruanda

Vem trabalhar na minha aldeia

(bis)

Ele é Caboclo de pemba

E não bambeia

(bis)

-21-

No centro da mata virgem

Embaixo do arvoredo

Eu vi o seu Tupynambá

Atirar sua flecha para não errar

Zuou, zuou...

A sua flecha zuou

-22-

Capitão da Mata mandou me chamar

Tempo eu tenho

Caminho não há

(bis)

Tempo eu tenho

Caminho não há

Oi com chuva ou com vento

Eu vou navegar

-23-

Ogum é Rei de Umbanda

Pai Xangô rei da pedreira

Oxossi é rei das matas

Mãe Oxum da cachoeira

(bis)

Ê Ogum-nhê! 

Caô-cabê-cilhe!

Okê!  ki-banb-ôcline!

Ai-êi-iêu, ô mamãe Cynda!

(bis)

 

Ponto de Chamada dos Caboclos de Oxossi

-1-

Folha verde da palmeira

Como brilha ao luar

(bis)

Mas que lindo caboclo de pena

Vem chegando neste congá

(bis)

-2-

Os meus caboclos quando vem na aldeia

Eles trazem à cinta uma cobra coral

(bis)

É uma cobra coral

Ah! É uma cobra coral

(bis)

-3-

Arreia, meus caboclos.

Meus caboclos da Jurema

Arreia meus caboclos

Caboclos do Juremá

(bis)

Olha o mato quebrando

Caboclo arreando

Olha o mato quebrando

-4-

Chamei, chamei...

Chamei seu (Pena Azul)

Chamei, chamei...

Chamei seu (Pena Verde)

Galinha de Angola que geme, que chora.

Cachorro do mato que caça mironga

Caboclo do mato espiando o sol

-5-

Lá nas matas da Jurema

Oxossi vem

Vem chegando de Aruanda

Oxossi vem

Vem saravá filhos de Umbanda

 

Oi, curimba auê, auê, auê!

Oi, curimba Oxossi, auê!

(bis)

-6-

Ao romper da aurora

O dia clareou

Aí vem os caboclos

Que alguém chamou

(bis)

É na fé de Oxalá

Que ele vem, vem, vem...

Com suas falanges

Trabalhar pro bem

(bis)

-7

Entrei nas matas da Jurema

E a sua mata clareou

 

Eu fui chamar todos Caboclos

Ô diz Umbanda quem mandou

(bis)

-8-

Oxalá mandou

E já mandou buscar

Os Caboclos da Jurema

Lá do Juremá

Oxalá mandou...

 

Oxalá mandou

E já mandou buscar

Os Caboclos da Jurema

Lá no Juremá

 

Meu Oxalá

É rei no mundo inteiro

Mandou ordens pra Jurema

Mandar seus cabaneiros

 

Mandai, mandai

Minha Cabocla Jurema

Os seus guerreiros

Essa é a ordem Suprema

Oxalá mandou...

 -9-

Chamei, chamei

Chamei todos os caboclos

(bis)

É Papai Oxalá

É quem manda chamar

Na força da terra

Na força do mar

 

Caboclo de Umbanda

Desceu da Aruanda

(bis)

-10-

Seu Pena Branca me disse

Que na sua banda

Ainda falta caboclo

(bis)

Pisa no rastro um do outro, caboclo

Pisa no rastro um do outro

(bis)

 

Ponto de Defumação na Vibração de Oxossi

 

-1-

Nossa Senhora incensou seu amado filho

Para com ele todo mal retirar

(bis)

Eu peço ajuda a toda aldeia de Caboclos

Para o mal sair e o bem entrar

(bis)

 

-2-

Oxossi vem das matas

Com as ervas da Jurema

Chegou em seu terreiro

Sua banda perfumou

Cruzou todos os cantos

E seus filhos defumou

As ervas da macaia

Na Umbanda semeou

 

 

 

Ponto para Firmar Ponto Riscado na Vibração de Oxossi

Caboclo firma ponto

Com a ponta de um cipó

(bis)

É meia noite com a lua

É meio dia com o sol

(bis)

 

 Ponto de Identificação Verbal de Caboclo de Oxossi

Caboclo quando vem na aldeia

Todo mundo canta

Pra saber o seu nome


Ponto de Saudação aos Caboclos de Oxossi

Eles são três caboclos

Todos três do Jacutá

Eles giram noite e dia

Pra seus filhos ajudar

(bis)

Sete, com mais sete

Com mais sete, vinte e um

Saudemos os três sete

Todos três de um a um

(bis)

Sete Montanhas gira

Quando o dia vem raiando

Seu irmão Sete Lagoas

Quando a noite vem chegando.

(bis)

E ao romper da aurora

Até alta madrugada.

Quem gira é o Caboclo das Sete Encruzilhadas

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Aracatu

Eu vi chover, eu vi relampear.

Mas mesmo assim o céu estava azul

Firma seu ponto na folha da Jurema

Ele é Caboclo Aracatu

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Araribóia

 

-1-

Araribóia é lá da macaia

Ele é caboclo em qualquer lugar

 

Ele não tira as folhas da Jurema

Sem ordem suprema de Pai Oxalá

(bis)

 

Ponto do Caboclo Arranca Toco

 

-1-

Na sua aldeia ele é caboclo

É Rompe Mato, é Arranca Toco.

(bis)

Na sua aldeia

Lá na Jurema

Não se faz nada sem ordem suprema

(bis)

-2-

Lá nas matas tem

Um pau que o machado não cortou

(bis)

Porque é a flecha de Oxossi

Que seu Arranca Toco plantou

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Arruda para Cortar demanda

Foi buscar o seu congá

Que deixou lá na Aruanda

Já chegou Caboclo Arruda

Pra vencer essa demanda

 

As falanges de Arruda

Tem sempre boa vontade

Andam por toda parte

Espalhando a caridade

 

As falanges de Arruda

São de força e de ação

Na vibração de Oxossi

Elas tem a proteção

 

 

Ponto do Caboclo Caçador

 

-1-

Caça, caça Caçador.

Seu Caçador lá da Jurema

Ele veio de tão longe

Pra caçar a sua ema

Seu Caçador

 

-2-

Seu Caçador lá da beira do caminho

Ah! Não me mate essa coral na estrada

Ela abandonou sua choupana, meu caboclo.

Ao romper da madrugada

 

-3-

Caça, caça Caçador.

Como é lindo vê-lo caçar

Caça, caça Caçador.

Caçador do Juremá

 -4-

No meio da mata

A coral piou

Lá na aldeia

Seu maracá soou

 

Ele é Oxossi

Caçador da Jurema

Ele vem na terra

Salvar filhos de pemba

(bis)

 

-5-

Lá na mata ele é caboclo

Ele é Caçador de Ubá

Ele é filho da Jurema

Ele é chefe de congá

 

Saravá a sua força!

Saravá a sua luz!

É Caçador quem nos protege na Umbanda

É Caçador quem nos conduz

 

Ponto do Caboclo Caeté

 

-1-

Juruatã, Juruatã, Juruatã.

Os guerreiros lá da mata estão bradando

Juruatã, Juruatã, Juruatã.

Os guerreiros lá da mata estão chamando

 

Juruatã, Juruatã, Juruatã.

O caboclo Caeté já vem chegando

Juruatã, Juruatã, Juruatã.

O caboclo Caeté já vem baixando

-2-

Lembra de mim caboclo

Lembra seu Caeté

(bis)

Okê, okê caboclo.

Lembra seu Caeté

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Cajá

Ô meu caboclo, que mata é a sua?

(bis)

Que mata é a sua

É a de lá ou a de cá

Lá onde pia a cobra, onde canta o sabiá.

 

Ele é caboclo

Ele é da tribo dos Cajás

Vai buscar sua falange para vir descarregar

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Carijó

 

-1-

Carijó vem de Aruanda

Com o seu penacho azul

Ele traz na sua banda

A luz do Cruzeiro do Sul

 

-2-

Eu vou pedir

Eu vou chamar

Carijó pra trabalhar

-3-

É pau, é pedra.

É toco miúdo

Lá vem Carijó

Por cima de tudo

 

 Ponto do Caboclo Caruamá

Caboclo Caruamá

Umbanda mandou chamar

Vem, vem, Caboclo.

Umbanda mandou chamar

 

Ponto do Caboclo Cobra Coral

 

-1-

Eu vinha descendo a serra

Uma jibóia por mim passou

(bis)

Na testa uma grande estrela

E assim dizia Rei dos Caçadores

(bis)

Auê, auê, auê, auá...

Auê, auê, auê, auá...

Essa grande jibóia era seu Cobra Coral

 

-2-

Todo caboclo

Quando vem na aldeia

Ele traz na cinta

Uma cobra coral

(bis)

É uma cobra coral

Mas é uma cobra coral

(bis)

 

-3-

Na sua mata uma coral piou

Na sua mata uma coral piou

É Cobra Coral

Que aqui chegou

 

-4-

Sucuri, jibóia.

Quando vem beirando o mar

Olha como “brogoiô”

A sua cobra coral

(bis)

 -5-

A jibóia é sua cinta

A coral é o seu laço

(bis)

Ô quizua, quizua, quizua auê.

Cobra Coral mora na mata

(bis)

 

-6-

Cobra Coral é caboclo é

Cobra Coral é caboclo é

(bis)

Ele mora na ribeira

É filho de Arranca Toco, é.

 

-7-

No céu relampejou

Na cachoeira trovejou

Na mata a Coral piou

Cachoeira chorou

Okê babá Xangô

Má-leme agô Xangô

Por seu filho Cobra Coral gritou

Seu grito na mata ecoou

Na mata sabiá cantou

E a passarada estremeceu

Quando a Coral piou

 

-8-

Caboclo olha a sua banda

Caboclo olha o seu congá

Caboclo olha a sua banda

Seus filhos vem abençoar

 

Ele é Caboclo da Cobra Coral

Ele é Caboclo da Cobra Coral

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Coqueiro

Lá nas matas verdejantes

Tem estrela reluzindo

(bis)

É o Caboclo Coqueiro

Que na Umbanda vai surgindo

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Flecha Dourada

Olha que caboclo lindo

Oxossi mandou saravá

(bis)

Flecha Dourada de Oxossi

Penacho branco na lei de Oxalá

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Flecheiro

 

-1-

Ele é caboclo

Ele é Flecheiro

Chega na Umbanda

É caçador de feiticeiro

Chega na Umbanda

Ele vai firmar seu ponto

Chega na Umbanda

E vai firmar nesse terreiro

Chega na Umbanda

 

-2-

Uma flecha zuniu no ar

Que seria tão forte arqueiro?

(bis)

Quando a estrela brilhou na mata virgem

Eu pude ver o Caboclo Flecheiro

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Folha Seca

Seu Folha Seca

Vem lá da mata

Da mata Sagrada

Lá do Juremá

 

Ele é o rei dos caçadores

Ele é filho da Jurema

Mano de Cobra Coral

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Folha Verde

O vento vem soprando nas matas

Jogando as folhas verdes no chão

(bis)

O vento já soprou

A folha já caiu

Seu Folha Verde apanhou uma na mão

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Guiné

 

-1-

É banda, é banda, é banda.

É banda, é banda, é.

(bis)

Sua banda é de ouro é

Sua banda é de ouro é

Seu saiote tem pena dourada

Ele se chama Guiné

 

-2-

Na sua mata uma coral piou

Ele é Oxossi, ele é caçador.

Quando Aruanda chegar

Eu quero ver quem ele é

Se é Caçador quem está de ronda

Ou se é Caboclo Guiné

-3-

Quando ele brada na serra

E a sereia no mar

(bis)

Ele é Caboclo Guiné

Vem proteger o seu congá

Sua jibóia está no rio

E a sereia no mar

Ele é Caboclo Guiné

Vem os seus filhos ajudar

 

 Ponto do Caboclo Imbiricy

 

-1-

Ele mora lá nas matas

Ele tem a sua aldeia

(bis)

Sua flecha e seu bodoque

Sua ponto não bambeia

(bis)

Imbiricy vem de Aruanda

Chegou do seu Juremá

 

Veio firmar seu terreiro

Veio firmar seu congá

(bis)

-2-

Subiu monte e desceu serra

Procurando o seu congá

Caboclo Imbiricy

Já chegou pra trabalhar

 

 Ponto do Caboclo Jacuri

Caboclo Jacuri trabalha

Com Cipriano e Jacó

(bis)

Trabalha com a chuva e com o vento

Trabalha com a lua e com o sol

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Jundiaí

Ah! Se não fossem as folhas da Jurema

O que seria do Caboclo Jundiaí

(bis)

Jurema, Jurema, Jurema.

Juremá de Jundiaí

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Juremá

-1-

Estrela no céu brilhou

E toda a mata clareou

(bis)

Clareia a choupana da Jurema

E o terreiro de Juremá

(bis)

 -2-

Caboclo é

É caboclo de pena

Oxossi é, caçador da Jurema

(bis)

Eu tenho fé no seu Juremá

Caboclo da mata

Vem na Umbanda trabalhar

(bis)

 

 Ponto da Cabocla Jurema

 

-1-

Jurema, seu saiote é muito lindo.

Seu cocar é divino

Tem um lindo diadema

(bis)

Jurema é da raiz do Urucá

Vai buscar sua falange

Para vir descarregar

(bis)

 -2-

Jurema, Jurema.

Jurema olha a madrugada é sua

(bis)

Jurema tem o perfume das matas

Jurema tem o clarão da Lua

(bis)

-3-

Eu vi lá no meio da mata virgem

Jurema com todos os seus companheiros

(bis)

Lutando pra nos salvar

Ela é Cabocla Jurema

Juremei, Jurema.

(bis)

-4-

Com sete dias de nascida

A sua mãe lhe abandonou

(bis)

E lhe deixou na folha seca

Tupynambá quem a criou

(bis)

Ah! Companheiros da Jurema

Ai de mim tem dó!

Ai de mim, meus companheiros.

Não me deixem só.

-5-

Estrela D’Alva é nossa guia

Ilumina o mundo sem parar

Ilumina a mata virgem

Cidade de Juremá

 

Vinde, vinde companheiros!

Ai de mim, tão só.

Companheiros da Jurema

Ai de mim tem dó.

-6-

Jurema, ô Juremê,

Ô Jurema

 (bis)

Quando clareou o dia

A Jurema voltou lá

Foi a mando de Oxalá

Que reinou em seu congá

Ô Jurema

-7-

Jurema, ela é Jurema.

Que lutou pra nos salvar

Com Caboclo Pena Branca

Tupyniquim e Juremá

-8-

Caiu uma flecha na Jurema

Veio o sereno e molhou

(bis)

E depois veio o sol

Enxugou, enxugou.

E a sua mata se abriu toda em flor

(bis)

-9-

Que lindo capacete de pena

Tem a Cabocla Jurema

(bis)

Ela me disse que quem lhe deu foi Oxalá

Ê ê, ê ê, ê á,

(bis)

-10-

Eu estava nas matas

Quando eu vi passar uma cabocla de penas

(bis)

O seu congá é aqui, ô Jurema!

Foi Oxalá quem lhe deu, ô Jurema!

Seu mano é a estrela, ô Jurema!

Seu Sete Estrelas que alumia, ô Jurema!

-11-

O sereno está caindo lá na terra

A mata virgem escureceu

(bis)

Aonde estão os mensageiros da Jurema

Que ainda não apareceram?

(bis)

 

Ponto da Cabocla Jurema da Cachoeira

Jurema da Cachoeira

É dona desse congá

(bis)

Ela veio lá da mata

Onde tem palmeira

Onde canta o sabiá

(bis)

É uma linda cabocla

Filha de Tupynambá

Tem um saiote de penas

Quem lhe deu foi Oxalá

(bis)

 

 Ponto da Cabocla Jurema da Mata

Jurema quando vem da mata

Com sua flecha de prata

Seu saiote de indaiá

Ela firma o seu ponto lá na aldeia

Caminhando sobre a areia

Com a permissão de Oxalá

(bis)

Ela é, ela é, ela é.

A menina dos olhos

Do Cacique Aymoré

Jurema...

 

 Ponto da Cabocla Jureminha

 

-1-

Ô Jurema, Jureminha.

Rainha dos caçadores

(bis)

Quando ela firma seu ponto na areia

Na linha das almas, na linha de Xangô.

(bis)

-2-

Seu saiote carijó brilhou na mata

Sua flecha de indaiá assobiou

 

A Cabocla Jureminha veio na Umbanda

Nossa banda já saravou

(bis)

 

Ponto da Cabocla Jussara

Clarão ilumina a mata

Chuva cai, rio não para.

Saravá Umbanda linda, saravá!

Chegou na banda a Cabocla Jussara

 

Ponto do Caboclo Lambari

Lá nas matas tem, lá nas matas mora.

Lambari de ouro de Nossa Senhora

(bis)

Ta puxando tora, ta puxando tora.

Pra fazer capela pra Nossa Senhora

(bis)

 

 

Ponto do Caboclo Mata Virgem

 

-1-

Na sua mata

Onde canta o sabiá

E pia a cobra coral

E pia a cobra coral

Ele é Caboclo Mata Virgem

É mano de Juremá

Oh! Não lhe cortem a raiz

Oh! Não lhe mate a coral

 -2-

Caboclo Mata Virgem

Quando firma ponto não erra a sua terra

Auê, auê, auê.

Quando firma ponto não erra a sua terra

-3-

Em plena mata eu vi

Um caçador da Jurema

(bis)

Era seu Mata Virgem

Com seu saiote de pena

Com sua flecha e seu bodoque

E seu saiote de pena

-4-

Entrei nas matas

Das matas saía pó

(bis)

Era seu Mata Virgem

Caçando a cobra cipó

-5-

Seu Mata Virgem é pai

É chefe de congá

(bis)

Vamos pedir, vamos implorar.

Que Tupã dê proteção

Para o seu Juremá

(bis)

-6-

Ele vem na Lei de Umbanda

Ele vem lá de Aruanda

Mas ele é Caboclo Mata Virgem

Ah! Ele é vencedor de demanda

-7-

Ele vem de longe

Da cidade da Jurema

 

Seu Mata Virgem é um caboclo cismado

Com sua flecha na frente

E seu bodoque do lado

(bis)

-8-

Entrei nas matas

E sua mata clareou

(bis)

Oi saravá seu Mata Virgem

Oi ele é

Rei Caçador

(bis)

 

Ponto do Caboclo Mirim

 

-1-

Quando ele vem lá do Oriente

Ele vem com ordens de Oxalá

(bis)

Sua missão é muito grande

É espalhar a caridade

E a seus filhos abençoar

(bis)

Meu saravá, Mamãe Oxum!

Meu saravá, Pai Oxalá!

Meu saravá, o seu Mirim!

Que ele é dono desse Jacutá

-2-

Com sua flecha e seu bodoque

A girar, a girar

(bis)

Vem cumprir a lei que traz do Juremá.

Penacho rei, eu nunca vi assim.

Quem vem na Umbanda saravá

É o Caboclo Mirim

 

Ponto do Caboclo Monte Verde

De onde vem seu Monte Verde

Ah! Ele vem da cidade da Jurema

(bis)

Mas ele vem zuando, zuando!

Sacudindo as suas penas

Levantando poeira

(bis)

 

 

 

Ponto do Caboclo Oxossi da Jurema

Seu Oxossi da Jurema

Manda folhas cá pra nós

(bis)

Erê rê rê...

Manda folha cá pra nós

(bis)

 

 

 

Ponto do Caboclo Oxossi das Matas

Ele correu terra, ele correu mar.

Até que chegou, “na sua país”.

(bis)

Saravá Oxossi das Matas

Que as folhas da Jurema

Ainda não caiu

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Pena Azul

 

-1-

Ele vem de longe

Do alto da serra morena

(bis)

Ele é seu Pena Azul

É cassuté lá na Jurema

(bis)

 -2-

Caboclo Pena Azul

Nós estamos lhe chamando

E a sua proteção

Confiantes estamos

 

Viva Jesus

Viva a linha de Umbanda

Caboclo Pena Azul

Saravá a sua banda

(bis)

 

Ponto do Caboclo Pena Branca

 

-1-

Ele vem de longe

Vem remando, remando.

Dentro da sua canoa

E no céu da Jurema

A passarada canta

E todo céu ecoa

 

Caboclo Pena Branca.

Firmou seu ponto na aldeia

E de longe o vento traz

O canto da Mãe Sereia

(bis)

-2-

No céu nasceu uma estrela

Oi, que clareia seu Pena Branca na mata

(bis)

No centro da mata virgem

Onde ele mora caiu uma chuva de prata

(bis)

-3-

No cocar desse Caboclo

Não tem Pena Branca só

Tem Azul, Verde, Amarela

E Dourada como o Sol

No canto da Janaína

Quero ver cobra piar

Quero ver caboclo forte

Filho de Cobra Coral

-4-

Estava na mata

Estava trabalhando

(bis)

Seu Pena Branca

Passou me chamando

(bis)

 

Agô, agô

Aonde é que mora

Mora na mata

De Nossa Senhora

 

Ele vem...

Ele vem trabalhar

Ele é Pena Branca

Da tribo Guará

(bis)

-5-

Sete Estrelas me alumia

Sete Estrelas é quem me guia

(bis)

 

Eu é Oxossi

Caboclo Pena Branca

Eu vem lá do Jurema

Trazendo ordens de Pai Oxalá

 

Eu vem lá do Juremá

Lá do alto da Serra morena

Aonde canta o sabiá

E pia Cobra Coral

-6-

Seu Pena Branca encontrou

Seu Sete Flechas na floresta

E nesse dia lá nas matas

Olha só ki-banb-ôdé!

 

Olha ki-banb-ôdé!

Olha ki-banb-ôdé!

Olha ki-banb-ôdé!

Olha ki-banb-ôdé!

 

Todos os caboclos se enfeitaram

Com as folhas da guiné

E nesse dia lá nas matas

Olha só ki-banb-ôdé!

 

Olha ki-banb-ôdé!

Olha ki-banb-ôdé!

Olha ki-banb-ôdé!

Olha ki-banb-ôdé!

 

Ponto do Caboclo Pena Dourada

Caboclo de pena

Que risca ponto na aldeia

Ele é Pena Dourada

Chega na Terra e não bambeia

 

 Ponto do Caboclo Pena Verde

 

-1-

Ele vem da mata

Vem salvar filhos de congá

(bis)

O seu nome é Pena Verde

Aqui e em qualquer lugar

(bis)

 -2-

O meu pai é caboclo

E vem do Juremá

(bis)

Saravá seu Pena Verde

Que ele é chefe de congá

(bis)

-3-

Japuí, Bacuí, Acuré, Yamundá.

Tangari, Jacuí, Bacurá, Jacutá.

(bis)

São caboclos da mata virgem

Seu Pena Verde vai chegar

Eles são caboclos da mata virgem

Seu Pena Verde vai baixar

(bis)

 

Ponto do Caboclo Pery

 

-1-

Eu me perdi, meu pai.

Eu me perdi

Lá nas matas do Amazonas

Eu me perdi

(bis)

Já procurei o seu Pery e não achei

Mas nas matas da Jurema eu encontrei

(bis)

 -2-

Na mata eu vi

O Caboclo Pery

Na mata eu vi

A coral piar

 

No terreiro chegou

O povo de Tupynambá

(bis)

 

Ponto do Caboclo PIraí

Sabiá cantou

E lá na mata anunciou o juriti

Aí vem caboclo de Oxossi

Na Umbanda chegou seu Piraí

 

 Ponto do Caboclo Rei da Mata

Seu Rei da Mata

Mandaram lhe chamar

Pra tomar conta da mata

Cidade do Juremá

Oh! Juremei, Juremei, Juremei,

Jurema, minha mãe

Oxossi, meu pai

Diz Rei da Mata

Filho de Umbanda não cai

 

 Ponto do Caboclo Rei do Oriente

Seu Rei do Oriente é da Jurema

A Jurema não engana ninguém

(bis)

A Jurema, a Jurema...

Olha a força que a Cabocla tem

(bis)

 

 

 

Ponto do Caboclo Rei do Sol

Mas quem é aquele caboclo

Lá encima daquele rochedo?

É o caboclo Rei do Sol

Clareia a lua pra sair mais cedo

Ponto do Caboclo Roxo

Caboclo Roxo da cor morena

Ele é Oxossi, é caçador lá da Jurema

(bis)

Ele jurou e tornou a jurar

Que ouviu os conselhos

Que a Jurema vem nos dar

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Serra Negra

 

-1-

O seu grito de guerra

Lá na mata, lá na serra ecoou

(bis)

Chamando todo povo de Umbanda

Caboclo Serra Negra chegou

Chamando todo povo de Umbanda

Caboclo Serra Negra baixou

 -2-

Salve seu Serra Negra

Quem vem lá de Aruanda

Trazendo pemba para trabalhar na Umbanda

 

Seu Serra Negra vem do além

Trazendo pemba para fazer o bem

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Sete Estrelas

A sua flecha quem lhe deu foi Oxossi

A sua lança quem lhe deu foi Ogum

 

E as sete estrelas que brilham em seu cocar

Vieram do manto de Mamãe Oxum

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Sete Flechas

 

-1-

Ouvi meu pai assobiar

Eu já mandei chamar

Eu já mandei buscar

(bis)

 

É de Aruanda, ê...

É de Aruanda, á...

Seu Sete Flechas de Umbanda

É de Aruanda

(bis)

 -2-

A sua mata é longe

E a sua estrela brilhou

E os seus filhos na Terra

Já lhe procurou

Ô já lhe procurou

Onde está seu Sete Flechas de Umbanda

Que ainda não chegou

 -3-

Das matas ele traz guiné

Na Umbanda, cura os filhos de fé.

(bis)

 

Atira, atira caboclo.

A sua flecha certeira

Ele é Sete Flechas

Na linha de Oxossi

Ele é caçador

(bis)

 -4-

Foi numa tarde serena

Lá nas matas da Jurema

Ouvi um caboclo bradar

(bis)

Kiô, kiô, kiô, kiô, kiera!

Sua mata está em festa

Saravá seu Sete Flechas

Que ele é rei da floresta

(bis)

 -5-

Ele é caboclo

E mora na beira do rio

A sua estrela quem lhe deu foi Oxalá

 

As suas armas são sete flechas

São sete flechas e sua estrela a brilhar

(bis)

-6-

Ê rerê...

Erê, erê, erê, erê, erá

Ê rerê...

Caboclo Sete Flechas no congá

 

Saravá seu Sete Flechas

Ele é o rei das matas

A sua bodoque atira ô paranga

Sua flecha mata

(bis)

 -7-

Seu Sete Fechas é caboclo do mato

Seu Sete Fechas é caboclo flecheiro

Seu Sete Fechas é filho da Jurema

Seu Sete Fechas caça feiticeiro

Seu Sete Fechas é filho da Jurema

Seu Sete Fechas mata feiticeiro

-8-

Caboclo Sete Fechas

Todas as sete de guiné

 

Olha meus sete congás

Que são todos de são Miguel

(bis)

-9-

Lá da matas vem

Lá das matas vai chegar

(bis)

Lá das matas vem

Juremá foi quem mandou

 

Seu Sete Flechas com seu bodoque

Viva Deus Nosso Senhor

(bis)

 

Ponto do Caboclo Sete Lagoas

As nuvens lá no céu passando

Estrela sempre a brilhar

 

Sete Lagoas vai chegar na Umbanda

Com ordem suprema de Pai Oxalá

(bis)

 

Ponto do Caboclo Sete Palmeiras

Ele é Sete Palmeiras, ô paranga!

Que vem no congá, ô paranga!

Ele é Sete Palmeiras, ô paranga!

Vem do Juremá

(bis)

Ele vem da mata

Ô que mata é a sua

Onde pia a cobra

Canta o sabiá e clareia a lua

(bis)

 

Ponto do Caboclo Tabajara

Ele é seu Tabajara

Capangueiro da Jurema

 

Tem pena, tem bodoque.

Seu saiote é de pena

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Tupaíba

Eles são dois guerreiros

Dois irmãos unidos

Seu nome é Tupaíba

Ele é cacique de fé

Na tribo dos Guaranis

Seu irmão se chama Pery

 

 Ponto do Caboclo Tupyara

É índio, é índio, é índio.

É índio do Juremá

Tupyara é um índio

Vem na Umbanda trabalhar

 

 Ponto do Caboclo Tupynambá

 

-1-

Eu vi na boca da mata, eu vi.

Nasceu na boca da mata, okê!

Caboclo que ta no reino é coquê

Mas ele é seu Tupynambá no arerê...

Ê caiena, ê caiena...

(bis)

 -2-

Tupynambá, Tupynambá

Chegou na Umbanda

Tupynambá, Tupynambá

Vem de Aruanda

Tupynambá, Tupynambá

Chefe guerreiro

Tupynambá, Tupynambá

Vem no terreiro

-3-

Ele é Tupy, Tupy, Tupynambá

(bis)

Ele tava na sua mata

Passeando com o seu mano

Atirando a sua flecha

Quando vem

Caboclo é hora

 -4-

Piou, piou até a madrugada chegar

(bis)

Uma jibóia enrolada

No bodoque de Tupynambá

(bis)

-5-

Lá na Jurema

Lá onde canta o rouxinol

Lá onde tem Estrela Guia

Lá onde tem raiar do Sol

Lá na Jurema

Eu vi um caboclo chegar

Com sua flecha e seu bodoque

Seu nome é Tupynambá

 -6-

Estrela D’Alva é nossa guia

Corre mundo sem parar

(bis)

Ilumina todo rio

E clareia todo mar

(bis)

Salve o povo do Amazonas

Caboclo Tupynambá

(bis)

Tupynambá é um caboclo de Umbanda

Trabalha em qualquer Jacutá

(bis)

Sua estrela é luminosa

Foi dada por Oxalá

 

Sua flecha corre a mata virgem

Como os peixinhos do mar

(bis)

 

 Ponto do Caboclo Tupyniquim

Lá na Jurema

Oi, na raiz do urucá

As estrelas no céu estão brilhando

Eu vi seu Tupyniquim caçar

 

 Ponto do Caboclo Turiaçú

Caboclo nasceu nas matas

Lá nas matas da Jurema

(bis)

Ele é seu Turiaçú

Com seu saiote de penas

(bis)

 

 

 

Ponto do Caboclo Uruá

Na choupana da Jurema

Ele é cacique velho

(bis)

É cacique velho, é cacique velho

É seu Uruá, é pai da Jurema

 

 

 

Ponto de Subida dos Caboclos de Oxossi

 

-1-

É madrugada, a coral piou

Nas verdes matas a lua clareou

 

Ele vai embora, ele vai girar

Seu Pena Branca vai deixar este congá

(bis)

-2-

É madrugada

Já cantou a seriema

Caboclo já vai embora

Vai lá pra sua Aruanda

E seus filhos como choram

Ererê, ererê...

Caboclo já vai embora

Ererê, ererê...

Aruanda está lhe chamando

Ererê, ererê...

Caboclo já vai embora

Ererê, ererê...

Seus filhos ficam chorando

É madrugada

-3-

Caboclo pega a sua flecha

Pega o seu bodoque

O galo já cantou

(bis)

O galo já cantou lá na Aruanda

Oxalá lhe chama

Para a sua banda

(bis)

-4-

Caboclo vai embora

Pra cidade da Jurema

Mãe Oxum está lhe chamando

Pra cidade da Jurema

Ele vai ser coroado

Na cidade da Jurema

E a coroa é de ai-êi-iêu

Na cidade da Jurema

-5-

Adeus meu Caboclo adeus

Adeus meu Caboclo de Umbanda

Ele já trabalhou

Ele foi a Aruanda

Foi a Aruanda

Orar pra Papai Oxalá

Pra seus filhos de congá

Não mais chorar

(bis)

-6-

A sua mata é longe

Eles já vão embora

E vão beirando o Rio Azul

Adeus Umbanda, adeus Caboclo

Eles vão embora

E vão beirando o Rio Azul

-7-

Adeus surpresa

E os caboclos já vão embora

Adeus surpresa

E vão com Deus na sua hora

É hora,é hora

-8-

Adeus, meus caboclos, adeus

A sua banda lhe chama

 

Eles já vão oló

(bis)

Sua macaia com cainana

Como fica só

(bis)

Mas como fica só

 

 

Pesquisa: Yacyamara neta de Matta e Silva